in

Jornalista dá a notícia da morte da própria filha

Angela Kennecke, pivot da KELO-TV, afiliada da CBS, deu a notícia da morte da própria filha, de 21 anos, vítima de overdose de Fentanil, um poderoso opioide (analgésico) que tem sido associado a milhares de mortes em todo o mundo, incluindo de várias celebridades.

A jovem Emily Groth morreu em maio passado, mas só agora a progenitora decidiu partilhar a morte da filha com os espectadores, depois de tantas vezes ter feito a cobertura do consumo de opioides nos Estados Unidos. Angela sabia que algo se passava com a sua filha, mas não sabia que esta era dependente de Fentanil. Estava, inclusive, a preparar uma intervenção à filha quando recebeu o telefonema do marido e pai de Emily que a deixou em choque.

“A 16 de maio, a minha filha de 21 anos, Emily, morreu de overdose. A causa oficial de morte foi envenenamento por Fentanil. A perda de um filho, especialmente de forma súbita e chocante, virou o meu mundo de pernas para o ar. Nunca pensei que um membro da minha família pudesse fazer parte das estatísticas que ouvimos nos noticiários da noite. Ninguém pensa. Temos de encontrar melhores formas e mais acessíveis de tratar a adição. Temos também de acabar com o estigma que impede muitos de procurar ajuda, incluindo a minha filha. Se 72 mil pessoas morressem anualmente de qualquer outra causa estaríamos determinados a acabar com o sofrimento de tantas famílias, tantas mães”, comentou a pivot.

Após relatar o episódio no seu jornal, Angela também deu uma entrevista à rede CBS, onde disse que “a melhor maneira que conheço para lidar com a minha dor é partilhar a minha história. O último dia em que vi Emily foi no Dia da Mãe. E a última coisa que eu disse foi que a amava. E ela disse-me a mesma coisa. Então, nesse sentido, sinto-me sortuda”, concluiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Bola fica presa na baliza num jogo de andebol

Ministro italiano quer fechar lojas aos domingos

Ministro italiano quer fechar lojas aos domingos