in ,

Menino que implorou a morte após ser alvo de bullying na escola volta a sorrir graças ao apoio

Quaden, o menino de 9 anos com problemas de crescimento que implorou pela morte após ser alvo de bullying na escola, voltou a sorrir.

As mensagens de solidariedade chegaram de todo o Mundo e o pequeno rapaz australiano já foi confortado por várias estrelas do desporto e do cinema na Austrália e milhares de pessoas um pouco por todo o Mundo.

Entre as mensagens de apoio está a do ator de Hollywood, Hugh Jackman, que interpretou a personagem Wolverine a saga de X-Men. “Quaden, tu és mais forte do que pensas. Tens aqui um amigo”.

Também Mark Hamill, conhecido por ter interpretado o papel de Luke Skywalker em Star Wars, partilhou o caso nas redes sociais. Estrelas de Walking Dead e vários jogadores de rugby na Austrália também endereçaram mensagens de apoio ao pequeno Quaden.

O vídeo viral partilhado por Yarraka Bayles, mãe de Quaden, mostrava o pequeno menino a pedir a morte por já não suportar os comentários e insultos que ouvia na escola. A certo momento,

Quaden pedia à mãe que lhe desse uma corda: “quero matar-me”, diz em desespero. “Só quero esfaquear-me no coração”, acrescenta ainda a criança em lágrimas.

Mais de 17 milhões de pessoas já assistiram ao vídeo de desespero de Quaden.

A página de Instagram ligada a Quaden foi inundada de mensagem de apoio e amor. A família já agradeceu o apoio de todas as pessoas que, um pouco por todo o Mundo, enviaram mensagens de solidariedade a Quaden.

A mãe justificou a divulgação do vídeo como uma tentativa de consciencializar as pessoas sobre o impacto do bullying nas crianças.

Segundo o Jornal CM, a mulher acrescenta ainda que normalmente não costuma partilhar este tipo de momentos mas que desta vez não teve outra escolha que não trazer o caso a público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Vídeos e fotos chocantes mostram a extrema magreza dos cães de João Moura

O texto viral de Bruno Nogueira sobre a despenalização da eutanásia