in

Português internado por ter comido sushi

Homem de 32 anos deu entrada no hospital com fortes dores abdominais e veio-se a descobrir que tinha um parasita alojado no intestino por ter comido sushi. Caso foi divulgado num relatório publicado no British Medical Journal

Um homem de 32 anos foi internado em Lisboa com fortes dores abdominais e veio-se a descobrir que tinha um parasita alojado no intestino por ter comido sushi. O caso foi divulgado num relatório escrito por quatro médicos de Lisboa e publicado no British Medical Journal, esta quinta-feira.

Comer sushi, um prato culinário japonês à base de peixe cru, pode originar uma infeção causada por um parasita, de seu nome anisakis, que se aloja no intestino. Esta infeção causa dores abdominais intensas, febre e vómitos.

Foi o que aconteceu em Lisboa, com um indivíduo de 32 anos, que deu entrada num hospital da capital com fortes dores abdominais que já duravam há uma semana.

Os médicos fizeram-lhe uma série de exames, incluindo uma endoscopia, através da qual detetaram o parasita. Entrevistado pelos médicos, o paciente revelou que tinha comido sushi recentemente. A larva foi removida e, de imediato, os sintomas desapareceram. Depois de examinada, percebeu-se que se tratava do parasita anisakis.

O parasita anisakis é causado pelo consumo de peixe cru. A maioria das infeções foi diagnosticada no Japão, país onde se consome sushi com maior regularidade. No entanto, o número de casos tem aumentado nos países ocidentais devido à popularidade que este prato culinário tem conquistado.

“A maioria dos casos foi descrita no Japão devido aos hábitos alimentares neste país, mas os casos têm aumentado nos países ocidentais”, refere o artigo científico.

De acordo com o mesmo relatório, os pacientes podem ter sintomas alérgicos como angiodema (inchaço na zona da boca), urticária ou choque anafilático. Os sintomas gastrointestinais incluem dores abdominais, náuseas, vómitos e outras complicações, como sangramento digestivo, obstrução intestinal, perfuração, peritonite, e febre de baixo grau.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *