in

Desapareceu médica que denunciou surto de coronavírus em Wuhan após ter sido proibida de falar

Ai Fen foi uma das médicas que tentou denunciar o surto de coronavírus em Wuhan, China, para o mundo e foi silenciada.

No início do surto, em dezembro, que viria a explodir em janeiro, Ai Fen foi proibida pelos seus superiores de falar sobre o que se estava a passar. Agora está desaparecida.

O berço da pandemia do século situa-se num território de regime totalitário e as primeiras quatro semanas do surto – as cruciais para conter ou não a epidemia – foram passadas a tentar esconder a situação nos hospitais daquela província.

Um grupo de médicos, incluindo Ai Fen, tentou que as informações que circulavam entre eles passassem para o exterior.

Segundo a investigação levada a cabo pelo programa 60 Minutes, da CNN Austrália, há duas semanas, Ai Fen, diretora de emergência do hospital Wuhan Central, tornou a situação pública na revista chinesa Renwu, dizendo que tinha sido silenciada em dezembro de 2019 após alertar os seus superiores para o vírus desconhecido – na altura – que não parava de surgir.

O presidente da República Popular da China, Xi Jinping, ordenou que a entrevista fosse apagada da Internet e agora o paradeiro de Ai é “desconhecido”.

A mesma investigação sublinha ainda que, caso o governo não tentasse ocultar o início do surto, este poderia ter sido contido em 95%.

Fonte: Correio da Manhã

One Comment

Leave a Reply
  1. Então não tinha sido um médico?Que já tinha morrido? Agora aparece uma médica? Não sabem o que inventar mais para denegrir a imagem da China! Alias a maneira como o texto é escrito, denuncia mesmo isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CMTV continua a chegar ao local antes dos acidentes acontecerem

Homem disfarça-se de arbusto para escapar à quarentena